Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos. Jeremias 15:16

domingo, 14 de janeiro de 2018

Pecado deliberado - Hb 10:26-31


IPC de Pda. de Taipas
Domingo, 20 de março de 2016
Pr. Plínio Fernandes
Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados; 27 pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários.  28 Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés.  29 De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?  30 Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo.  31 Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.
Estou pensando em certo homem, membro de igreja, com quem conversei algum tempo atrás. Ele estava vivendo em adultério já havia muitos anos, e quando procurei dissuadi-lo de seu pecado, ele me respondeu:
“Meu irmão, você está sendo legalista. Eu sou salvo pela graça de Deus, e não por minhas obras”.
E por mais que eu tenha insistido, ele recusou-se a me ouvir.
Será que uma pessoa que raciocina assim é realmente salva? Será que está em Cristo? Será que é uma “nova criatura”?
O texto bíblico que acabamos de ler é um dos muitos na Palavra de Deus, que reafirmam a doutrina de que sem santificação ninguém verá o Senhor.
Depois de nos ensinar, nos versículos anteriores, que devemos nos encorajar uns aos outros à firmeza na fé, nos admoesta quanto ao perigo de nos afastarmos desta fé, e vivermos deliberadamente em pecado.
v. 26 - Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados.
A versão corrigida diz: “Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados”,
A NVI: “Se continuarmos a pecar deliberadamente...”
A NTLH: “Se continuarmos a pecar de propósito...”
E a BV: “Se voluntariamente continuarmos no pecado...”
Este é um assunto muito importante. Ele diz respeito à realidade ou não da nossa fé, e consequentemente comunhão com Deus e salvação eterna.
Eu desejo meditar com vocês sobre o perigo do pecado deliberado.
1. O que é pecado deliberado, ou voluntário?
É o pecado de rejeitar o ensino de Deus, depois de tê-lo conhecido.
É o pecado cometido como escolha, depois de se conhecer a Palavra de Deus a respeito dele.
O cristão é uma pessoa que tem uma luta diária com o pecado, tanto externa como internamente.
O cristão é uma pessoa que conhece a força das tentações, e sofre, e muitas vezes chega a agonizar com seus erros, suas falhas, suas quedas.
O apóstolo Paulo, como que falando por todos nós, expressou bem a sua aflição na luta contra o pecado.
Rm 7:14-25
Porque bem sabemos que a lei é espiritual; eu, todavia, sou carnal, vendido à escravidão do pecado.  15 Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto.  16 Ora, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa.  17 Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim.  18 Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo.  19 Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço.  20 Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim.  21 Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim.  22 Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; 23 mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros.  24 Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?  25 Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. De maneira que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da lei de Deus, mas, segundo a carne, da lei do pecado.
Agora veja que ele termina este texto descrevendo, não a sua derrota, mas a vitória sobre o poder do pecado por meio de Jesus Cristo.
E depois, no cap. 8, ele passa a descrever como em Cristo Jesus, a lei do espírito de vida que habita em nós nos livrou da lei do pecado e da morte.
Já não somos escravos do pecado.
Ele coloca também isto em outros termos, na carta aos Gálatas.
Gl 5:16-25
Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne.  17 Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.  18 Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei.  19 Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, 20 idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, 21 invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam.  22 Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.  24 E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.  25 Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.
Os que estão em Cristo, pela fé em Cristo, crucificaram a carne, com suas paixões e concupiscências.
Assim, ainda que a luta da carne contra o Espírito, e do Espírito contra a carne, seja real e violenta, aquele que está em Cristo, de antemão já sabe que o Espírito é vencedor.
Pecar deliberadamente é rejeitar estas coisas, é escolher viver de acordo com a carne.
O pecado voluntário envolve pelo menos três aspectos:
1. O conhecimento da Palavra de Deus – a consciência do erro, o saber que é pecado.
2. Permanência no pecado – deliberadamente
3. Falta de arrependimento
Em outras palavras, falta de santidade.
Por exemplo
O homem que eu mencionei no início – era um homem que estava com a consciência cauterizada, e quando uma pessoa não tem boa consciência, ela naufraga na fé.
1ª Tm 1:18, 19
Este é o dever de que te encarrego, ó filho Timóteo, segundo as profecias de que antecipadamente foste objeto: combate, firmado nelas, o bom combate, 19 mantendo fé e boa consciência, porquanto alguns, tendo rejeitado a boa consciência, vieram a naufragar na fé.
Outro exemplo vemos em Esaú
Hb 12:15-17
Atentando, diligentemente, por que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus; nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados; 16 nem haja algum impuro ou profano, como foi Esaú, o qual, por um repasto, vendeu o seu direito de primogenitura.  17 Pois sabeis também que, posteriormente, querendo herdar a bênção, foi rejeitado, pois não achou lugar de arrependimento, embora, com lágrimas, o tivesse buscado.
Outro exemplo vemos em Judas, que por amor ao dinheiro, traiu a Jesus. Depois ele sentiu um remorso tão horroroso, mas nem por isto foi levado à fé naquele que nos salva dos nossos pecados, mas se deixou levar por Satanás, e suicidou-se.
Outro exemplo vemos em Saul, que sentiu-se envergonhado, mas não se arrependeu[1].
2. A gravidade deste pecado
O escritor de Hebreus descreve a gravidade deste pecado de várias maneiras
v. 29 - De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?  
2.1 – Pecar deliberadamente é calcar os pés o Filho de Deus
Que expressão forte e terrível de se imaginar, meus irmãos: “pisar em cima” de Jesus.
No Evangelho de João, Jesus nos ensina o que significa amá-lo.
Jo 14:21
Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele.
Pecar deliberadamente é desprezar o Filho de Deus, de manifestar falta de amor a Jesus.
2.2 - Pecar deliberadamente é desprezar o sangue da aliança, com o qual foi santificado
Vamos recordar as palavras de Jesus ao instituir a santa ceia, das quais não devemos nos esquecer.
Mt 26:26-28
Enquanto comiam, tomou Jesus um pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo.  27 A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos; 28 porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados.
Profanar: tornar impuro.
2.3 - Pecar deliberadamente é ultrajar, ofender o Espírito da graça, isto é, o Espírito Santo
O apóstolo Paulo nos ensina que a graça de Deus não somente nos perdoa, mas também santifica.
Tt 2:11-14
Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, 12 educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, 13 aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, 14 o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras.
3. As graves consequências para aquele que deliberadamente rejeita a graça de Deus
v. 30 - Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo.  31 Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.
3.1 – O sangue de Jesus não o purifica
v. 26 – Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados.
Certa vez eu estava conversando com um rapaz e ele me disse que na “quarta-feira” de cinzas deveria ir à igreja.
Eu lhe perguntei o porquê; e a razão que ele me deu foi esta (usando suas próprias palavras):
– “A gente sabe que o carnaval é uma festa do diabo. Então a gente precisa ser perdoado de participar. Então eu vou à igreja para pedir perdão”.
Amado, não se engane. Se você sabe que uma coisa “é do diabo”, não brinque de religião; de Deus não se zomba. Não peque com a ideia de que depois você poderá pedir perdão. Pois um pedido assim não surte efeito, uma vez que não é acompanhado de arrependimento.
3.2 – Deus o considera como seu inimigo
v. 27 – Pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador prestes a consumir os adversários.
Tg 4:4
Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.
3.3 – Não receberá misericórdia
vs. 28-31
Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés.  29 De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?  30 Ora, nós conhecemos aquele que disse: A mim pertence a vingança; eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo.  31 Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo.
Aplicações
Amados, o que estas realidades devem despertar em nós? Há pelo menos três atitudes espirituais que desejo destacar:
1. Temor e tremor diante do Senhor, humildade.
Pois terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo. Não somos senhores do nosso destino. Não somos donos de nossa própria vida, nem podemos simplesmente viver de acordo com os ditames de nossa velha e pecadora natureza.
Por outro lado, o homem para quem o Senhor olha é aquele que treme e treme diante de sua Palavra.
Então que o temor do Senhor esteja em teu coração. Não seja frívolo com as coisas de Deus. Não alimente os prazeres do pecado em sua mente, nem em seu coração.
2. Contrição, arrependimento
Busque um coração quebrantado, pois um coração contrito e quebrantado o Senhor não despreza.
Conduza, sob a graça de Deus, o teu coração de tal forma que você nutra a cada dia, e mais profundamente, uma grande aversão por todas as coisas que o Senhor tem lhe mostrado serem pecados; e peça ao Senhor, e medite em sua Palavra santa, para que lhe dê discernimento cada vez maior entre o bem e o mal, entre o justo e o injusto, entre o santo e o profano.
3. Abandono dos pecados
Pois aquele que encontre as suas transgressões, jamais prosperará, mas aquele que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.


[1] 1º Sm 15:11

domingo, 17 de dezembro de 2017

A luz prevalece sobre as trevas - Lc 23.44-49

      IPC de Vila Continental
Domingo, 22 de outubro de 2017
Pr. Plínio Fernandes
 44 Já era quase a hora sexta, e, escurecendo-se o sol, houve trevas sobre toda a terra até à hora nona. 45 E rasgou-se pelo meio o véu do santuário. 46 Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou. 47 Vendo o centurião o que tinha acontecido, deu glória a Deus, dizendo: Verdadeiramente, este homem era justo. 48 E todas as multidões reunidas para este espetáculo, vendo o que havia acontecido, retiraram-se a lamentar, batendo nos peitos. 49 Entretanto, todos os conhecidos de Jesus e as mulheres que o tinham seguido desde a Galiléia permaneceram a contemplar de longe estas coisas.
Em Lucas 22:3, está escrito que Jesus disse aos que, conduzidos por Judas, foram prendê-lo:
– “Esta é a vossa hora e o poder das trevas”.
Talvez nada mostrasse isto tão intensamente como o que aconteceu quando o Senhor foi cruelmente colocado sobre a cruz.
Desde a hora sexta (meio-dia) até à hora nona (três da tarde), quando ele morreu, houve uma imensa escuridão sobre a terra.
Escuridão não somente no sentido visível, como se o dia se tornasse em noite, mas também escuridão das almas que ali estavam.
As autoridades judaicas, os soldados romanos, a multidão, e até mesmo os criminosos zombavam do Senhor.[1]
E os discípulos, bem como outras pessoas que o haviam acompanhado, agora ficaram de longe, angustiados com tudo o que estava acontecendo.[2]
Parecia que o mal havia triunfado.
Mas Jesus é “a luz do mundo”,[3] e quando você acende uma luz num lugar escuro, as trevas não prevalecem contra ela.[4]
No princípio de todas as coisas, quando a terra era sem forma e vazia, e havia trevas, o Senhor disse: –“Haja luz!”, e houve luz.[5]
Da mesma forma, a promessa do profeta Isaías que dizia:
... Galiléia dos gentios! O povo que estava em trevas, viu grande luz,E aos que viviam na região e sombra da morte resplandeceu-lhes a luz, [6]
... se cumpriu quando o Senhor, depois de ser batizado, foi morar em Cafarnaum, e dali saiu para salvar pecadores, para curar enfermos, expulsar demônios e anunciar a vida eterna no reino de Deus.
A mesma luz que, diz o apóstolo João, ilumina todo homem que vem ao mundo.[7]
E agora, mesmo quando havia haviam chegado a hora e o poder das trevas, mais uma vez a luz do Senhor prevaleceu.
Eu desejo meditar com vocês sobre a maneira como a luz de Cristo prevaleceu sobre a escuridão daquela hora.
1. Prevaleceu porque não foram os homens, nem foram as forças espirituais que mataram a Jesus
v. 46 Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou.
Veja, se você olhar do ponto de vista humano, a crucificação de Jesus aconteceu através de uma série de atos de fúria raivosa e irracional da parte das autoridades judaicas.
Os chefes judeus haviam desenvolvido um ódio imenso contra o Senhor.
Herodes, rei da Galiléia, e Pôncio Pilatos, governador da Judeia, não viram em Jesus crime algum. Ele nunca fez nada de errado.
Mas o ódio dos judeus era tão grande que não quiseram que Jesus fosse “apenas açoitado”. Eles o queriam morto, conspirando com Judas, o traidor, conseguiram que Jesus fosse crucificado.[8]
Mas por trás de toda a crueldade humana estava o plano de Deus, vale dizer, o plano do próprio Senhor Jesus.
Vamos ler João 10.17, 18.
17 Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. 18 Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai.
Se o Senhor Jesus quisesse, ele bem poderia pedir 12 legiões de anjos, e imediatamente eles viriam em seu socorro. [9] Mas se ele fizesse assim, como então os planos e as promessas de Deus se cumpririam?
Durante os últimos três anos de sua vida na terra, quando Jesus ia por toda a parte, fazendo o bem e pregando o evangelho da nossa salvação, houve várias ocasiões em que os homens maus quiseram matá-lo, mas Jesus simplesmente se afastava, porque ainda não havia chegado a hora. [10]
Mas agora a hora havia chegado. E então, por volta da hora nona, aquele que tinha o poder sobre a sua própria vida, morreu momento em que quis, clamando em alta voz:
– Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito.
E dizendo isto, expirou.
Não foram os homens, e não foi Satanás que tirou a vida de Jesus. Foi ele que a entregou.
2. A luz prevaleceu sobre as trevas porque, em sua morte, o Senhor Jesus cumpriu a grande missão de conduzir-nos ao céu
v. 45 – E rasgou-se pelo meio o véu do santuário.
O véu do santuário era uma espessa cortina que havia no templo em Jerusalém, e que separava o lugar santíssimo (o “santo dos santos”) dos demais recintos.
O santo dos santos, no qual ficava a arca a aliança, era uma representação do céu, o lugar da presença de Deus, e não era qualquer pessoa que podia entrar nele, mas somente o sumo sacerdote de Israel, e uma única vez por ano, a fim de oferecer a Deus um sacrifício para expiar os pecados do povo.
Para que o sumo sacerdote entrasse através do véu, ele deveria estar santificado, e comparecer perante Deus com a oferta do sangue de um cordeiro, sem defeito, que deveria ser aspergido sobre a tampa da arca da aliança.
Este era o caminho pelo qual os homens deveriam chagar-se a Deus. Sem o sangue do cordeiro nem mesmo o sumo sacerdote poderia passar pelo véu.[11]
Mas quando Jesus foi crucificado, o véu do templo foi rasgado, de alto abaixo.
Porque Jesus é o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. [12]
Por meio do corpo de Jesus na cruz, por meio do seu sangue derramado, por meio da sua morte, um “novo e vivo caminho” para Deus foi aberto para todos os homens que nele crerem.
Vamos ler Hebreus 10.19-22.
19 Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, 20 pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, 21 e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, 22 aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura.
Por meio da sua morte, Jesus é o nosso caminho para Deus, a nossa porta de entrada no céu, é a nossa vida pela eternidade.
Um dos exemplos mais vívidos que temos na Escritura aconteceu na hora mesma da crucificação do Senhor.
Mateus nos diz que os dois ladrões que também foram crucificados estavam zombando de Jesus. Mas Lucas acrescenta que no coração de um deles resplandeceu a luz da salvação.
Leiamos Lucas 23.39-43.
39 Um dos malfeitores crucificados blasfemava contra ele, dizendo: Não és tu o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós também.  40 Respondendo-lhe, porém, o outro, repreendeu-o, dizendo: Nem ao menos temes a Deus, estando sob igual sentença?  41 Nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o castigo que os nossos atos merecem; mas este nenhum mal fez.  42 E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino.  43 Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.
Embora não saibamos como foi a vida pregressa deste homem a história de sua conversão é tão clara.
Mateus nos diz que ele era um ladrão (literalmente, “bandido”), e uma vez que condenado à morte, era provavelmente um assassino. Mas em meio à sua vida errada, percebemos aqui, ele começou a ouvir de Jesus.
Quem sabe o tenha ouvido pessoalmente, nalguma de suas pregações.
Veja como ele sabe tanta coisa sobre Jesus: sabe que Jesus não tem pecado; sabe que Jesus é o rei, e que nos conduz ao reino de Deus.
E também se reconhece como um pecador, e que está ali na cruz por causa dos seus próprios pecados.
Então ele faz uma verdadeira profissão de sua fé, e pede que Jesus se lembre dele.
E a resposta de Jesus é maravilhosa:
Hoje mesmo estarás comigo no paraíso.
O paraíso, de acordo com o que o apóstolo Paulo ensina, é o lugar da habitação de Deus, onde vamos viver com Cristo após esta vida, um lugar de consolo para todas as nossas lutas, tristezas e tribulações, e das recompensas de uma vida de fé, amor e esperança em Jesus.[13]
Hoje: não daqui a centenas de anos, depois de um prolongado “sono da alma”.
No paraíso: nem Jesus, nem o ladrão arrependido precisaram passar um tempo no inferno ou no purgatório. Mas naquele mesmo dia estariam no paraíso com Deus. [14]
Veja: como eram grandes as trevas em que este homem vivia.
Mas a luz do Senhor resplandeceu em sua vida, ele enxergou. E sua alma foi salva.
3. A luz que resplandeceu naquelas trevas permanece brilhando eternamente.
Não sabemos o que aconteceu posteriormente com as demais pessoas que estavam ali. Mas os soldados, especialmente o chefe deles, ficou profundamente tocados com tudo o que aconteceu. E as multidões, que a princípio se aglomeraram por “diversão”, saíram dali lamentando a morte de um justo.
Talvez muitos deles tenham uns quarenta dias depois se convertido, quando no dia do pentecostes ouviram Pedro dizer:
– A este Jesus, a quem vós o crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.[15]
Mas o fato é que Pedro, e todos os demais discípulos e mulheres que haviam ficado contemplando de longe depois se aproximaram, ou melhor, foram aproximados.
E a partir deles muito mais gente, que um dia jazia nas trevas do pecado, no vale da sombra da morte, foi iluminada.
Veja, meu irmão, o que o Espírito Santo fez na sua vida:
2ª Co 4:3-6
3 Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto, 4 nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.  5 Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor e a nós mesmos como vossos servos, por amor de Jesus. 6 Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo.
Amado, a tua própria conversão é o poder da luz do Senhor que continua a brilhar para sempre.
Houve um tempo em que você mesmo em trevas. Você não conhecia a doutrina do Senhor, não conhecia o Senhor, e por natureza estava condenado a uma vida de trevas eternas, naquele terrível lugar de choro e aflição,[16] pois era escravo do pecado, do mundo e de Satanás.[17]
Mas a luz do Evangelho disse ao seu coração: – Haja luz!; e a tua alma resplandeceu.
Hoje você vive na luz. Você sabe o seu caminho. O seu caminho é Jesus. Você sabe para pode vai, porque o teu destino é a casa do Pai.
Eu sou a luz do mundo, disse o Senhor. Quem em segue não andará em trevas; pelo contrário, terá a luz da vida.[18]
Conclusão
O dia da crucificação de Jesus foi o momento mais terrível da história do mundo.
Deus encarnado estava sendo crucificado.
Os dominadores deste mundo tenebroso, as forças espirituais do mal, estavam despejando sobre ele todo o ódio que têm para com Deus desde o começo da história humana.
Pecadores ignorantes, pecadores religiosos e pecadores bandidos zombavam e procuravam infligir dores físicas e morais sobre um homem inocente, que não havia feito por merecer nada daquilo.
Mas também foi a hora em que a luz resplandeceu mais intensa do quem em qualquer outra.
A luz resplandeceu porque ninguém tirou a vida de Jesus. Ele é quem a entregou, e entregou para o seu Pai. Ele deu a sua vida em lugar da nossa vida.
A luz resplandeceu nas trevas também porque na cruz ele rasgou o véu do templo, a abriu para nós um caminho ao santo dos santos, à presença de Deus nos mais altos céus.
A luz resplandeceu nas trevas porque desde lá continua a brilhar para sempre, no coração de todo aquele a quem ouve o Evangelho e nele crê.
Aplicações
Eu quero fazer três aplicações para a vida daqueles que amam a Deus:
1. Confie em Deus, mesmo que o mundo pareça estar em trevas
Is 50:10
Quem há entre vós que tema ao SENHOR e que ouça a voz do seu Servo? Aquele que andou em trevas, sem nenhuma luz, confie em o nome do SENHOR e se firme sobre o seu Deus
Amados, o mundo em que vivemos, decaído com está, e especialmente os dias em que vivemos, está caminhando nas trevas.
Estamos em dias que o mal é chamado bem, e o bem é chamado mal. Em dias que a Palavra de Deus, que é doce como o mel, é considerada amarga, e o pecado é considerado doce. Em que se faz da luz escuridade, e a escuridade é chamada esclarecimento.[19]
Dizem que homens não são homens e mulheres não são mulheres.
Dizem que a verdade não é absoluta, mas que tudo é relativo.
Dizem que os mandamentos de Deus são opressores , e que a liberdade exige que façamos tudo o que desejarmos.
E o resultado é que a delinquência, a irreverência, as blasfêmias contra Deus, os crimes estão correndo soltos em nossas ruas e nos palácios.
Mas isto não deve nos desanimar. Pois a luz do Senhor é mais forte que todas as trevas que podem existir no universo inteiro.
Mesmo que as coisas estejam difíceis, confie que no fim de todas as coisas o bem triunfará.
Ore pela nossa nação. Ore pela igreja do Senhor. Ore pela sua casa. Muitas vezes, quando a imoralidade corre solta, as falsas doutrinas são propagadas, a igreja torna-se fraca em seu testemunho, Deus tem levantado o seu povo para se aproximar dele, para orar, para confessar e abandonar seus pecados, e a história das nações tem mudado. Foi assim na reforma do século XVI, e em muitos outros momentos da história.
2. No desanime quando as luzes do mal quiserem prevalecer em teu próprio coração.
Muitas vezes a escuridão do pecado tenazmente nos assedia. Muitas vezes as tentações das trevas querem nos envolver.
Mas a cada dia, aproxime-se de Deus. Jesus, pelo seu corpo na cruz, abriu para nós um novo e vivo caminho. Pelo sangue de Jesus nós temos acesso ao trono de Deus, e neste trono, que é um trono de graça, e não de condenação para os crentes, temos também o mesmo Jesus como nosso sumo sacerdote, intercedendo diante de um Pai amoroso.
Se tentados, ele nos ajuda em nossas tentações.
E mesmo assim, se cairmos, ele nos ajuda para que não desfaleçamos em nossa fé, e tenhamos um coração ousado, limpo, em plena certeza de fé.
Ande na luz do Senhor, confessando seus pecados a Deus, não permitindo que as obras das trevas prevaleçam em seu coração.
3. Não seja cúmplice das obras das trevas, antes, reprove-as.
Amados, até as indústrias, os meios de comunicação em massa, as chamadas classes de elite, as pessoas que se entendem por esclarecidas (estas que a Palavra de Deus chama de loucas) estão se empenhando ferozmente para divulgar, forçar, impor a imoralidade em nome da democracia, da liberdade individual.
Não defenda estas coisas, não seja cúmplice destas coisas, não participe.
Veja o Salmo 101.3
Não porei coisa injusta diante dos meus olhos.
Às vezes eu vejo alguém defendendo que nós, os crentes, podemos, por exemplo, que podemos ouvir novelas de televisão, que podemos ouvir músicas, que podemos participar de festas, sem nos importar com o conteúdo, porque “o conteúdo não nos afeta”.
Fala-se mais ou menos assim:
– Se eu vir alguém fazendo uma coisa errada, não significa que eu vá fazer também. Eu estou apenas assistindo.
Está bem, suponhamos que não te afete (o que eu duvido muito). Como você, dizendo-se filho da luz, fica a apreciar, a se recrear, contemplando as obras das trevas.
E como não te afeta? Deveria afetar! Você deveria sentir nojo destas coisas abomináveis a Deus. Desperta, tu que dormes; levanta-te de entre os mortos, e Cristo te esclarecerá.[20]
Por último, quero fazer uma aplicação a alguém que ainda não recebeu esta luz, que é Jesus, em seu coração.
Você está andando nas trevas do pecado, fazendo a vontade de Satanás, o inimigo da tua alma, perdido e sem rumo.
E quando alguém anda na escuridão, o resultado é a morte.
Mas Jesus pode iluminar a tua vida. Ele pode te livrar das trevas e te conduzir seguro pelo caminho do céu.
Nós temos um hino que diz:
Deixa a luz do céu entrar,
Deixa o sol em ti nascer
Abre o coração, que Cristo vai entrar
E o sol em ti nascer [21]
Venha ao Senhor Jesus, confiando que na cruz ele morreu pelos seus pecados. Venha a Jesus por piores que sejas os seus pecados. Como aquele malfeitor que pediu: – Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino, peça isto ao Senhor, arrependido. Deixa a luz do céu entrar, e Jesus será a luz da tua vida.








[1] Vs. 34-36
[2] Mc 14:50
[3] Jo 8:12
[4] Jo 1:5
[5] Gn 1:3
[6] Cf. Mt 4:13-16; Is 9:1,2
[7] Jo 1:9
[8] Lc 23:8-25
[9] Mt 26.53
[10] Jo 7.30; 8.20
[11] Cf Hb 9:1-6
[12] Jo 1.29
[13] 2ª Co 12.1-4
[14] Ap 2.7
[15] At 2.36
[16] Mt 22.13
[17] Ef 2.1-3
[18] Jo 8.12
[19] Vj. Is 5.20
[20] Ef 5.11-14
[21] Hinário Novo Cântico, 209
▲Topo